O que é o CST em Gestão de Cooperativas?

Vanessa Zampronho
Colaborador do Hora Da Facul
1

Crédito: Foto de fauxels no Pexels

O profissional em Gestão de Cooperativas trabalha no gerenciamento desse formato de trabalho, as pessoas envolvidas, as parcerias feitas com outras associações e a legislação envolvida

Quando se reúnem pessoas que querem trabalhar para o benefício de determinada comunidade ou região, tem-se o que se chama de cooperativa. É quando todos trabalham juntos para o bem comum. O curso de Gestão de Cooperativas forma especialistas que ajudam no gerenciamento desses grupos.

O termo cooperativa está ficando mais comum nos últimos anos. Essa forma de associação junta a vontade de um grupo de pessoas que querem trabalhar com algo em comum. Diferente de uma reunião informal, as cooperativas são organizadas e têm legislação específica. Isso as torna mais eficazes em termos produtivos.

Já pensou em fazer sua faculdade dos sonhos à distância?

Tire todas as dúvidas e saiba mais sobre a modalidade EAD

 

Quem pode criar uma cooperativa?

Pessoas podem começar uma cooperativa sempre que há interesses comuns que devem ser defendidos. De acordo com a Lei nº 5.764, que regula a existência das cooperativas, elas precisam de, no mínimo, 20 pessoas para serem constituídas.

Uma vez que essa quantidade mínima seja atendida, os cooperados organizam seu estatuto, que determina como serão escolhidos os diretores. Ele também determina como ela vai funcionar, o seu propósito, como vão se manter, entre outras regras.

O profissional de Gestão de Cooperativas entra na parte gerencial: como ele tem conhecimento da legislação vigente, ele orienta a direção da cooperativa. O gestor pode ser, inclusive, um cooperado que queira se especializar na área e desenvolver um bom trabalho.

A Gestão de Cooperativas e a defesa de interesses

As cooperativas surgem da iniciativa de pessoas que tenham interesses comuns. Assim, unidas, elas conseguem solucionar problemas e atingir objetivos comuns. Da frase ‘a união faz a força’, os cooperados sabem que, unidos, têm mais força para defender seus interesses.

Exemplos de cooperativas não faltam. A de produtores rurais é um exemplo, e dos mais conhecidos. Eles se reúnem para defender que seus produtos possam ser vendidos a um preço mais convidativo para determinadas empresas. Além disso, eles podem organizar feiras para expor suas mercadorias, e batalhar para ter acesso a financiamentos externos.

Cooperativas podem se tornar grandes empresas, que produzem alimentos, vendem para o mercado consumidor, e têm seus associados que fazem parte do conselho gestor. O especialista em Gestão de Cooperativas lida com os funcionários, as obrigações trabalhistas, está por dentro da contabilidade da cooperativa e acompanha a legislação.

Cooperativas de crédito

Nem só de cooperativas rurais é feito o mundo do cooperativismo. Como geralmente os associados pagam uma taxa para manterem a cooperativa, no caso das que oferecem crédito, é como se fosse uma poupança coletiva. Os cooperados colaboram com uma quantia por mês, que é depositada em aplicações financeiras.

O especialista em Gestão de Cooperativas lida com o rendimento dessas aplicações, verifica os pedidos de empréstimos feitos mensalmente, além de gerenciar a empresa como um todo. As vantagens para os associados são de pagar juros menores no momento de saldar a dívida.

O curso de Gestão de Cooperativas

O curso tem quatro semestres de duração, e é oferecido como Curso Superior Tecnólogo. Para atuar no gerenciamento das cooperativas, o aluno tem aulas de disciplinas variadas, que contemplam boa parte da atuação desse tipo de empresa.

Matérias como Contabilidade fazem parte da grade curricular. Afinal, o profissional precisa acompanhar o caixa da cooperativa, de forma que ele saiba o quanto pode ser investido para melhorar suas atividades.

A Legislação também deve entrar na lista. Dessa forma, o gestor tem que conhecer as leis que regem o modelo cooperativista de trabalho, para poder gerenciá-la. Precisa acompanhar também as mudanças que acontecem nesse ramo do Direito.

O Empreendedorismo e o Marketing ajudam o profissional de Gestão de Cooperativas a identificar novas oportunidades para inserir o trabalho dos cooperados. Eles podem expandir sua área de atuação e seus pontos de venda de produtos. Isso traz mais renda para a cooperativa.

A cooperativa e a transformação social

O especialista em Gestão de Cooperativas tem uma visão bem profunda da importância desse tipo de organização na sociedade. Ele sabe que os cooperados precisam defender seus interesses e trazer benefícios para sua região.

Ele faz toda a diferença para ajudar os cooperados na interlocução com o poder público ou empresas privadas. O profissional em Gestão de Cooperativas sabe como orientar os associados na satisfação das suas necessidades e como outras organizações podem colaborar nesse processo.

Assim, o gestor traz mais profissionalismo à cooperativa, que continuará ajudando seus cooperados. Por outro lado, a cooperativa terá um gerenciamento mais eficaz das suas atividades. Isso transforma diretamente a vida dos cooperados, que veem seus produtos ou serviços sendo divulgados mais amplamente.

Com a ampliação da atuação das cooperativas, elas acabam se tornando grandes produtoras de alimentos, prestadoras de serviço de crédito financeiro, intermediadoras de programas habitacionais e podem até oferecer serviços médicos.

Mercado de trabalho

O profissional de Gestão de Cooperativas tem um amplo campo de trabalho. As organizações de associações rurais são um dos campos de trabalho mais amplos. Produtores rurais têm um grande conhecimento do campo, dos ritmos de plantação e das formas de colheita. Por outro lado, ao criar uma cooperativa, eles precisam de alguém que saiba gerenciar esse trabalho coletivo, e é onde o profissional se encaixa. Ele ajuda na administração rural e na orientação dos cooperados.

Há também cooperativas habitacionais, de crédito, como visto anteriormente, de saúde e de trabalho. Esses são apenas alguns exemplos desse tipo de organização que precisam de profissionais habilitados. Cada uma dessas áreas tem suas particularidades, mas todas necessitam de especialistas que saibam gerenciá-las. Além disso, por terem objetivos específicos, precisam conhecer legislações específicas de cada área.

Há também as ONGs, Organizações Não Governamentais, que atuam diretamente em grupos sociais específicos. Elas realizam atividades que geralmente o poder público não consegue desempenhar. No caso de a ONG oferecer algum produto ou serviço, o especialista em Gestão de Cooperativas orienta os diretores, voluntários e funcionários a desempenhar um papel mais atuante. Além, claro, de divulgar melhor a organização e torná-la mais relevante. Ou seja, o curso de Gestão de Cooperativas é para quem gosta de atuar diretamente na sociedade em que vive e fazer a diferença!

Gostou desse conteúdo? Agora veja conosco as diferenças entre Midialogia e Jornalismo.

O quão útil foi esta matéria?

Clique na estrela para avaliar!

Avaliação média 0 / 5. Contagem: 0

Ainda sem avaliações! Seja o primeiro a avaliar.