Por que o curso de Odontologia é separado da Medicina?

Vanessa Zampronho
Colaborador do Hora Da Facul
1

Crédito: Foto de EVG Culture no Pexels

Embora lá atrás não houvesse uma distinção muito grande entre a Odontologia e a Medicina, aqui no Brasil, por volta do século 17, quem fazia o trabalho de dentista eram os barbeiros. Os médicos da época já tinham cursos de nível superior de Medicina. Mas, não havia os de Odontologia.

Assim, como os barbeiros lidavam com o rosto, eles aprendiam a lidar com outras estruturas faciais observando quem já trabalhava na área. Então, extração de dentes, por exemplo, era realizado por eles.

Como já havia cursos de Medicina, os médicos que se formavam neles (geralmente fora do Brasil) não lidavam com os dentes. Esse trabalho já era desempenhado pelos barbeiros que, somente na metade do século 19, precisaram ser aprovados em uma prova para serem chamados de dentistas. Mas, a prova era realizada por médicos. Dessa forma, a Odontologia era considerada um ramo da Medicina. E essa separação em uma área independente estava para acontecer.

Os primeiros cursos de Odontologia no Brasil

Pouco antes da virada para o século 20, surgiram os primeiros cursos de Odontologia por aqui, no Rio de Janeiro e na Bahia. Ainda assim, nas instituições de ensino, professores da Medicina davam aulas aos alunos, e também usavam os mesmos laboratórios.

Embora a formação de dentistas e médicos fosse quase a mesma, até por tradição, os cursos se mantiveram separados, e são até hoje. Mas houve uma evolução na grade curricular de ambos os cursos.

Assim, mesmo que eles tenham algumas disciplinas semelhantes, na atualidade a faculdade de Odontologia tem muito mais matérias especializadas que focam não somente os dentes, mas a musculatura da boca e da face. Há laboratórios especiais, sendo somente utilizados pelos alunos deste curso.

E o curso de Medicina conta com um período de residência médica, em que o aluno terá contato com o dia a dia dos hospitais, em pronto-socorros, consultas médicas e atendimentos especializados.

Qual curso devo fazer?

É uma boa pergunta. Afinal, são ambos da área da saúde, com um tempo de formação longo (cinco anos para Odontologia, seis para Medicina), e vão exigir do aluno uma dedicação maior.

Algumas instituições têm aulas em regime integral, ou seja, aulas o dia todo. Dessa forma, veja se você tem disponibilidade de tempo para poder estudar. A grade curricular também é extensa, o que vai requerer mesmo um tempo adicional para ler o conteúdo e realizar as atividades propostas pelos professores.

Outra pergunta, antes de se decidir por Odontologia ou Medicina, é verificar se você tem afinidade com a área da saúde. Boa parte das matérias em ambas as faculdades são sobre Biologia ou Química. Assim, se você gostava de seguir essas aulas, os cursos podem ser boas opções.

Um detalhe que devemos ter em mente ao se decidir por uma dessas carreiras é o cuidado com o paciente. Como estamos lidando com pessoas que têm algum problema de saúde, elas estarão fragilizadas ao procurar assistência especializada. Dessa forma, entender as necessidades do paciente e procurar ajudar são alguns requisitos importantes para seguir na profissão.

Odontologia e o cuidado com a boca

O aluno conhecerá muito bem a anatomia dos dentes, do sistema bucal, bem como da musculatura que o envolve. Como ele realizará uma série de procedimentos, ele aprende a realizar cirurgias, fazer suturas, exames, bem como tratamentos mais invasivos. Extração de dentes, tratamentos de implantes e outros que envolvem outros processos.

Aulas de anatomia, anatomia bucal, próteses dentárias e radiologia são algumas delas, além das especialidades da profissão. Endodontia (que trata da parte interior do dente), a periodontia (que cuida da parte exterior, que dá suporte) e a ortodontia (que corrige a posição dos dentes) são algumas delas.

Há os estágios supervisionados em várias etapas do curso, que mostram aos graduandos como atuar em cada uma dessas especialidades. E toda faculdade de Odontologia tem que ter uma clínica integrada, onde os alunos, já no final da graduação, trabalharão na prática, com a orientação de professores.

Medicina e o cuidado do corpo

O curso de Medicina é o mais longo entre as carreiras de bacharelado, com seis anos de duração. É nesse período o que o aluno vai ter contato com todas as partes do corpo humano, para conhecer como elas funcionam, as doenças que as acometem e os tratamentos que podem ser feitos.

Assim, o aluno vai conhecer o corpo de uma forma muito ampla: dos tecidos que o formam, bem como os órgãos e os sistemas completos. A constituição das células, o processo de reprodução humana, bem como a genética, entram na lista.

Os últimos semestres são de estágios intensivos nas várias áreas da Medicina. Atendimento a crianças, idosos, mulheres, pronto-atendimentos e saúde mental são algumas das áreas nas quais o graduando vai atuar. Assim, ele já tem habilidades para começar a trabalhar quando se formar, e terá mais condições de escolher alguma especialização.

Mercado de trabalho

Sempre há demanda por médicos e dentistas, assim, fazer um desses dois cursos é uma boa opção de carreira. É importante verificar que há procedimentos que somente o médico pode fazer, outros que somente o dentista tem habilitação. Assim, tudo o que diz respeito à saúde bucal, está na responsabilidade da Odontologia. E demais procedimentos médicos, com a Medicina.

Quando o aluno se torna dentista, ele pode se especializar em uma ou mais áreas da Odontologia, como falamos anteriormente. Isso amplia o leque de atuação para este profissional. O mesmo acontece com o médico, que pode realizar cursos para tratar determinadas partes do corpo com mais conhecimento.

Tanto o profissional da Odontologia quanto o da Medicina são muito requisitados em hospitais públicos e privados, bem como clínicas médicas. É importante ficar de olho a concursos públicos e processos seletivos no setor privado. Continuar estudando, mesmo após formado, é outro detalhe importante para a carreira. A tecnologia na área da saúde evolui a cada dia, e ter oportunidade de conhecê-la poderá ajudar muito os pacientes. Participar de feiras e congressos também são uma forma de estar em contato com as novidades.

Gostou desse conteúdo? Então fique conosco e leia também sobre Saiba tudo sobre a faculdade de Odontologia e Como se deu a evolução da Medicina ao longo dos anos.

O quão útil foi esta matéria?

Clique na estrela para avaliar!

Avaliação média 0 / 5. Contagem: 0

Ainda sem avaliações! Seja o primeiro a avaliar.