Saiba tudo sobre o Curso Superior em Design de Moda

Raiza Moreno
Colaboradora Raiza Moreno

Crédito: Foto de Gustavo Fring no Pexels.

A moda, para além do aspecto estético que a ronda, sempre esteve presente. Seja na autoexpressão, na cultura, na vestimenta de grupos de pessoas, etc. Assim, dada a importância, preparamos um artigo com tudo o que você precisa saber sobre o CST em Design de Moda.

Aqui, iremos percorrer caminhos para te deixar a par sobre o que é um CST em especial, um CST relacionado ao mundo da Moda. Também, falaremos sobre a duração do curso, as modalidades, o conteúdo, onde cursar, mercado de trabalho e muito mais.

Portanto, não fique de fora e acompanhe cada pedacinho dessa matéria super especial que A Hora da Facul preparou para você.

Vem com a gente!

O que é um CST?

Antes de mergulhar no universo dos estudos sobre Design de Moda, vamos descobrir o que é um CST. Este, por sua vez, é um tipo de curso superior. E, sua sigla diz respeito a um Curso Superior de Tecnologia, ou seja, um tecnólogo.

Um curso tecnólogo é específico no aspecto profissionalizante. Em suma, seja um tecnólogo de Design de Moda ou outros, o curso foi elaborado para atender as necessidades do mercado.

Sendo assim, quando um estudante forma-se em um CST, sabe-se que está preparado para embarcar no ambiente profissional.

Os Cursos Superiores de Tecnologia tem a duração reduzida em relação a bacharéis e licenciaturas. Isso, ao depender de suas intenções, pode ser uma vantagem imensa.

Ainda, é importante que o CST pode ser feito como primeiro curso superior ou não. Ou seja, um estudante recém-saído do ensino médio, está apto a ingressar em um Curso Superior de Tecnologia, assim como um profissional já graduado em algum curso de bacharel.

Seja o primeiro ou segundo curso superior, a garantia é o processo profissionalizante. Dessa forma, o profissional poderá iniciar sua carreira no curso, ou sofisticar o que tem sido edificado.

Em relação à duração, pode haver variação de curso para curso, mas todos tem em média de 2 a 3 anos. Já um bacharelado, por exemplo, pode ter quatro anos ou mais, ao depender da disciplina. Ainda mais se for complementado com uma licenciatura.

A importância do Design de Moda

A moda, indubitavelmente, faz parte de nossa vida cotidiana. Não importa se você é o tipo de pessoa que não faz questão de adereços ou se é um leitor assíduo da Vogue, a moda se faz presente nas suas escolhas diárias.

A estética, a autoexpressão e aspectos culturais andam de mãos dadas quando se trata do Design de Moda. Não se sabe ao certo, quais destes três se destacam ou dão o pontapé inicial na história da Moda, mas sabe-se que são engendrados e há uma codependência entre eles.

O primeiro aspecto mencionado, o estético, pode ser palco de inúmeras interpretações a partir da Moda. Historicamente, os adereços, vestidos com inúmeras camadas de tecido, luvas, chapéus, joias, entre outros, contam até os dias de hoje que essa caracterização demonstra abundância e nobreza.

Em museus, percebe-se uma relação social e hierárquica ao observar imagens de homens e mulheres de épocas diversas. Não à toa, a vestimenta nobre europeia é relacionada à poder e alto nível financeiro, mas o comparativo estético como forma de expressar, depende do contexto cultural.

Ou seja, a moda, expressa a partir da estética, poder, nível social e período histórico. E o mais brilhante de tudo isso: a moda é fluída. Ou seja, ela muda de forma veloz, em todos os aspectos mencionados.

Design de moda é uma maneira de comunicar

Uma série relativamente recente chamada Peaky Blinders passa por períodos marcantes da história. O início da série, mostram cenas da Inglaterra na Primeira Guerra Mundial, mas ao longo das temporadas, os episódios mostram mudanças gerais até a Segunda Guerra Mundial.

O seriado, por sua vez, não tem como foco principal a Moda, mas, ela é extremamente marcante no que se expressa. Dessa forma, ao longo das temporadas, muda-se não só as ruas e os carros, mas também, toda a vestimenta dos personagens.

Assim, as personagens femininas,  iniciam o seriado com cabelos longos e vestidos muito cumpridos. E, depois, observa-se uma clara mudança cultural e política, onde tanto os cabelos, quanto as saias encurtam. Os adereços tornam-se vibrantes, com luvas e piteiras elegantes. Tudo isso muito típico dos anos 20.

Por fim, a moda expressa em sua estética e criatividade, mudanças culturais e sociais no mundo todo. Assim, comunica e conta uma história, dizendo o período em que se vive, a classe social, tendências conservadoras, poder, ousadia, estilo de vida, transgressão e muito mais.

Como é o CST em Design de Moda?

Em primeiro lugar, é importante definir coisas sobre si para compreender se o CST em Design de Moda é para você. Portanto, vamos lá: você é uma pessoa criativa? Você percebe as tendências da Moda no seu dia-a-dia? Ainda, distingue a tendência do gosto pessoal e assim, busca inovações?

Neste contexto, o ideal é que as respostas das perguntas anteriores tenham sido afirmativas. Mas, os questionamentos para si não param por aí, pois, para além de pautas diretamente relacionadas a criação, estudam-se estratégias de venda, marketing e muito mais.

Agora, dada a sugestão de reflexão a ser realizada, iremos seguir com detalhes de tudo o que você precisa saber sobre o CST em Design de Moda.

O curso

O Curso Superior de Desig de Moda visa preparar o estudante para a atuação no mercado fashionista. Assim, com a junção do empenho do aluno e da boa elaboração pedagógica da instituição que fornecerá o curso, assim que formado, o aluno irá se encontrar pronto para o mercado de trabalho.

Os bons cursos possuem tanto aulas teóricas como práticas. A primeira, contempla história da moda, modelagem, gestão de negócios e muito mais. A segunda, te mostra como é a aplicabilidade destes conhecimentos, perpassando o planejamento de coleções, collabs, criações próprias, fabricação, elaboração de protótipos, entre outros.

A duração

Por ser um tecnólogo, como dito anteriormente, tem um tempo reduzido em relação às demais formações. Assim, o CST em Design de Moda tem geralmente, dois semestres até a conclusão.

Mas, não pense que por ser um período relativamente curto de estudo, será fácil. Na verdade, é justamente o contrário. Dessa forma, a matriz curricular é intensa e exige organização para que o aluno acompanhe e dedique-se para obter êxito em sua formação.

Por fim, o tecnólogo tem diversas obrigatoriedades que devem ser realizadas pelos alunos. Ou seja, independente da duração, o aluno será avaliado através de provas, trabalhos e projetos, todos com um deadline.

Modalidades de ensino

Hoje em dia, ainda mais com o grande evento chamado COVID-19, as modalidades de ensino tornaram-se plurais. Dessa forma, com o CST em Design de Moda não seria diferente.

As modalidades de ensino possíveis, são: presencial, semi-presencial e EaD Algumas instituições oferecem as três, outras, fornecem uma ou outra.

De certa forma, a pandemia mostrou a todos nós o quanto é possível aprender e ter aulas em casa. Antes da pandemia, muitos alunos e até professores desdenhavam a eficácia do ensino à distância, assim, era menos procurado.

Mas, no decorrer de uma quarentena para lá de extensa, perceberam-se tanto as possibilidades quanto a funcionalidade do mesmo. Assim, iremos aqui, dar uma atenção especial ao EaD e esclarecer alguns pontos.

EaD

O EaD é a sigla utilizada para o ensino à distância. Este, no que lhe concerne, é realizado através de meios digitais, que podem aplicados através de diversos sistemas e plataformas já disponíveis, ou até, alguma plataforma elaborada pela própria instituição.

As instituições que oferecem as modalidades semi-presenciais e 100% online tem que estar de acordo com vários pré-requisitos estipulados pelo Ministério da Educação (MEC). Ainda, tem de oferecer polos presenciais para que os alunos possam ir até à instituição independente da razão, seja para resolver questões burocráticas ou apresentar trabalhos, quando solicitado.

Também, ao disponibilizar e oferecer um curso online, a instituição deve ser absolutamente responsável com a disponibilidade de conteúdos e obrigações do aluno. Ou seja, caso a instituição solicite que o aluno vá, por exemplo, trimestralmente para algum aspecto avaliativo, isso tem de ser previamente sinalizado ao ingressante.

Ademais, as aulas e conteúdos podem ser dispostos de formas diferentes, ao depender da estratégia pedagógica pontual de cada instituição de ensino. Confira a seguir algumas das formas de aplicabilidade e disposição do conteúdo:

  • A elaboração de uma plataforma específica da própria instituição. Este acesso, por sua vez, funciona como uma espécie de nuvem, onde o aluno ao entrar com seu login, terá acesso às atividades, aulas gravadas, agenda, materiais e até aulas ao vivo;
  • Também, algumas instituições usam de plataformas já conhecidas como Google Meet, Google Class Room e Microsoft Teams. A partir disto, pode-se solicitar que o aluno ingresse à aula em um determinado horário, onde, ao vivo, o professor realizará a sua aula;
  • Toda via, algumas instituições usam ambos recursos de forma simultânea. Assim, usa-se uma plataforma específica da instituição para algumas temáticas e resoluções, mas, usam-se outras para as aulas propriamente ditas.

Por fim, o mais importante é que o aluno tenha acesso à todas as instruções e canais onde as atividades irão ocorrer. E, isso acontece sempre no momento da matrícula. Ou seja, deixar claras as dinâmicas, desde pedagógicas até burocráticas, são fundamentais para que o aluno conclua o CST com tranquilidade.

Conteúdo e matriz curricular do CST em Design de Moda

Agora, fique atento neste trecho, pois iremos listar aqui algumas das disciplinas mais comuns entre os cursos de Design de Moda. Confira!

Conhecer o que será estudado é fundamental para a organização do aluno. Essa organização vai desde um preparo emocional ao saber o que te aguarda, mas também, uma questão de logística. Afinal, materiais tem de ser comprados, locados e afins.

Portanto, confira a seguir algumas das disciplinas que se fazem presentes nos Curso Superior em Design de Moda:

  • Atividades complementares;
  • Comunicação de Moda;
  • Criação em Design;
  • Desenho de Moda;
  • Desenho de Observação;
  • Desenho Técnico de Moda;
  • Ed – Cultura Digital;
  • Ed – Design Thinking;
  • Ed – Marketing Digital;
  • Ed – Projeto de Vida;
  • Ergonomia no Design;
  • Estética e História da Arte;
  • História da Indumentária e da Moda;
  • História e Acepções do Design;
  • Informática Aplicada a Moda;
  • Laboratório de Confecção;
  • Materiais e Tecnologia Têxtil;
  • Metodologia, Projeto e Gestão do Design;
  • Modelagem e Tecnologia;
  • Moulage;
  • Optativa;
  • Projeto Integrado I;
  • Projeto Integrado II;
  • Projeto Integrado III;
  • Projeto Integrado I;
  • Sociedade Brasileira e Cidadania.

Bastante coisa, não é mesmo? Mas, também pode-se perceber que são conteúdos enriquecedores para o seu processo de construção de conhecimento. Desse modo, é hora de animar-se ainda mais.

Onde realizar o CST em Design de Moda?

Imagino que nesta altura do campeonato, depois de tantas informações, você deve estar se fazendo essa pergunta.

Dessa forma, selecionamos instituições de ensino confiáveis e renomadas para o seu ingresso. Mas, antes de lista-las, saiba que para uma instituição de ensino ser de fato um lugar de confiança, deve-se analisar alguns critérios do MEC.

Estes critérios são chamados de Indicadores de Qualidade. Confira alguns detalhes sobre indicadores de qualidade a seguir:

Indicadores de qualidade

Os indicadores criados pelo MEC são denominados CI e o IGC. O primeiro, diz respeito ao conceito da instituição, ou seja, aspectos estruturais e didáticos de cada um dos cursos oferecidos.

O segundo, tem por objetivo avaliar os cursos e os alunos através de uma média. Essa escala vai de 1 a 5, onde 1 seria péssimo e 5, excelente.

As instituições que iremos mencionara, tem excelente avaliação no MEC. Onde as médias estão em torno de 3 a 4, onde a nota 3 significa bom/satisfatório e 4 é ótimo.

Por fim, vale ressaltar que independente do local ou modalidade de ensino que você irá ingressar, é importante que a faculdade possua essa mesma média em ambos indicadores, independente da unidade, polo e até modalidade, ou seja, presencial, semi-presencial ou EaD, os indicadores tem de se manter.

Instituições de Ensino

Diante dos critérios explicitados, as instituições de ensino listadas possuem ótimos indicadores. Portanto, confira os locais passíveis de ingresso com absoluta confiança:

  • Anhanguera;
  • Unopar;
  • Universidade Cruzeiro do Sul;
  • Unicid;
  • UniDrummond;
  • UniFamma.

Todas estas possuem seus polos presenciais e critérios muito bem definidos diantes das dinâmicas ditas acima. Assim como, em cada uma das instituições mencionadas, existem possibilidades de desconto e/ou bolsas, com ou sem financiamento. Entre em contato e informe-se de forma mais detalhada possível.

Como é o mercado de trabalho?

Primeiro, respire fundo pois, o mercado da moda vai muito além de passarelas e de chefes como a Miranda, do O Diabo Veste Prada. Então, vamos conhecer a seguir esse mercado tão efervescente, amplo e criativo. Partiu?

A moda, sobretudo, tem a finalidade de criar. Essa criação tem de ser funcional, agradável e estética, ou seja, usam-se recursos para além do “bom gosto” ou da criatividade. Tem muita técnica e estudo envolvido.

Mas, será que isso é questão de talento ou dom?

É claro que pessoas que tem a criatividade estimulada desde a infância, tendem a aplicar de forma mais fluída a sua criatividade. No entanto, o estudo do Design de Moda é aberto para quem deseja produzir, criar e atender temandas sócioculturais envolvento estética, utilidade e expressão, seja ela individual ou coletiva.

Assim, vamos explorar muito além do esteriótipo de quem faz Moda. Confira a lista de possibilidades a seguir:

Pesquisa e análise de tendências

Esse cargo de suma importância visa a pesquisa profunda e analítica em relação ao que se consome. Assim, observa-se quase de forma cirúrgica o comportamento e o consumo no merdacado.

Assim, a partir dessa análise muitíssimo bem realizada, é possível perceber tendências e nichos. E, desta forma, ao entender para quem e o porquê desse consumo, é possível desenvolver e sofisticar o que se produz.

Outra função do profissional de pesquisa e análise é criar relatórios para as marcas. É claro que as marcas, em especial as que estão a bastante tempo no mercado, conhecem minimamente o seu público. No entanto, é através dessa pesquisa realizada por essa categoria de profissional, que os dados são concretizados e a moda, dinamizada.

Por fim, o profissional que optar por essa vertente, andará de mãos dadas com os marketeiros. Assim, os estudos servirão de bússula para mostrar direções palpáveis ao público-alvo, auxiliando assim, as vendas, a imagem e o marketing.

Personal stylist

Aposto que você, pessoa internética e familiarizada com a moda, já escutou esse termo. Em suma, traduzir a ação de um personal stylist se dá na ação de um profissional que ajuda, através de técnicas e escuta ativa, encontrar o estilo apropriado para um determinado cliente.

Desse modo, o personal stylist tem que possuir algumas qualidades, para além de conhecimento técnico. Ou seja, há um perfil adequado para o exercício desta profissão, onde quem fornece esse tipo de serviço, tem de respeitar o gosto individual e as limitações do cliente, sejam elas financeiras ou outras várias razões pessoais.

Portanto, o personal stylist atua de forma mais profunda do que apenas reconhecer o que lhe cai bem. Há todo um processo de conhecimento em torno da personalidade do cliente, do que este deseja expressar, do seu biotipo e muito mais.

Produção de moda

A produção de moda envolve a pesquisa em torno da modelagem. Esta, por sua vez, envolve não só as roupas, mas também adereços, calçados, acessórios e até joias.

Também, o serviço do produtor de moda é essencial em campanhas de moda, por exemplo. Ou seja, a amplitude de atuação é gigantesca, pois, envolve campanhas publicitárias, fotografia, filmes, collabs, editoriais de revistas, eventos e vitrine.

Portanto, gostar de garimpar, analisar e pesquisar tendências é fundamental. É um trabalho extremamente criativo que não deixa de lado, aspectos técnicos e requerimentos da empresa em que se presta serviço. Por fim, tem de ter atenção desde o público, até taxas passíveis de custo para as empresas.

Visual merchandising

Na atualidade, para além das vitrines que conhecemos de longo prazo, existem também as vitrines virtuais. Isso mesmo, um profissional de visual merchandising é responsável pela criação do primeiro contato entre consumidor-marca.

Hoje, diante do exposto sobre as vitrines virtuais, essa vertente de atuação cresce exponencialmente. O profissional de visual merchandising, por sua vez, trabalha junto com fotografos, marketeiros e muito mais.

Assim, é fundamental que o profissional tenha embasamento e conhecimentos técnicos para aplicabilidade do serviço. Ou seja, iluminação, paleta de cores, layout e uma série de elementos que conversam entre si, são fundamentais para o êxito na entrega de uma boa vitrine, seja ela virtual ou física.

Considerações finais

Aqui é momento de – quase – nos despedirmos. Mas, vamos analisar de modo geral o que foi visto, certo?

Em primeiro lugar, percebemos que a moda vai muito além da roupa que se usa. Ela, no que lhe concerne, conta histórias, expressa sentimentos, determina posições e é um processo criativo muito complexo.

Depois, percebemos que os CST em Design de Moda te preparam para o mercado de trabalho. E, estes podem ser o seu primeiro curso superior ou não. Também, lembre-se sempre de analisar a instituição em que irá ingressar, beleza?

Por fim, ficou claro que o mercado está para todos os gostos. Assim, o profissional flerta com inúmeras vertentes, possibilidades e exercícios criativos, basta mirar e seguir.

Esperamos que tenha gostado deste artigo. Deixe um comentário com o seu feedback, ok?

Até mais!

O quão útil foi esta matéria?

Clique na estrela para avaliar!

Avaliação média 0 / 5. Contagem: 0

Ainda sem avaliações! Seja o primeiro a avaliar.