Psicologia Forense: conheça área da Psicologia

Lucas Fonseca e Silva
Colaborador do Hora Da Facul

Se você está pensando em ingressar no curso de Psicologia, saiba que há diversas possibilidades de especialização para essa profissão. Entre essas áreas para se especializar, destaca-se a Psicologia Forense. Mas, afinal, o que é isso?

Ao decorrer desta publicação a fundo o significado da Psicologia Forense. Além disso, discorreremos sobre as alternativas de inserção no mercado de trabalho para profissionais da Psicologia que se especializam nessa área.

Continue a leitura para entender melhor!

Vai fazer vestibular para Psicologia?

Descubra qual área de atuação mais combina com você

 

O que é a Psicologia Forense e como ela surgiu?

Com um possível surgimento datado em 1911, na Bélgica, essa ciência aparece através da necessidade de analisar além do âmbito legislativo, os casos criminais. A Psicologia Forense é a parte da Psicologia que estuda os comportamentos humanos relacionados a processos criminais e judiciais. 

Como ainda, esse campo científico estuda os processos mentais que influenciam na conduta do sujeito. Dessa forma, torna-se um auxílio nas investigações e na solução de processos criminais. 

Logo, a prática foi adotada pelo poder judiciário, como uma maneira de ampliar o conhecimento pertinente à análise de condutas violentas, assim como qualquer outro processo do judiciário. Como consequência, temos o aprimoramento das técnicas utilizadas na investigação e na resolução de casos. 

Sendo assim, entende-se que além da responsabilidade ética social, o profissional que se especializa em Psicologia Forense, possui uma responsabilidade ética legislativa. E estes, acabam por atuar junto dos profissionais da área de Direito.

Qual a função do psicólogo especializado em Psicologia Forense?

A função do psicólogo especializado na área é auxiliar o poder judiciário a sanar dúvidas e a alcançar soluções mais precisas para processos nas diferentes varas (cível, trabalhista e criminal). Dessa maneira, o principal objetivo é garantir os direitos do cidadão, a partir do estudo comportamental dos réus, assim como uma análise que pretende esclarecer as circunstâncias que o fizeram agir criminalmente.

Assim, essa análise é feita a partir de entrevistas e testes clínicos que auxiliam o profissional a obter um diagnóstico validado. A partir daí, o relatório produzido pelo psicólogo forense é utilizado no julgamento do processo, como provas e evidências do caso.

É importante que, além das competências em Psicologia, o profissional possua um compromisso com o entendimento amplo das leis e a aplicação práticas delas em sua função. A ética, como já citado, deve ser fator definitivo para essa atuação, já que o psicólogo deve agir de forma imparcial na hora de analisar o comportamento do réu.

A Psicologia Forense como forma de correção comportamental 

Além de ser útil para solucionar diversos processos judiciais, o psicólogo forense também pode exercer sua função com o objetivo de entender as circunstâncias que levam alguém a cometer determinado delito. E assim, evitar que esses crimes ocorram.

Neste contexto, é possível agir tanto na correção comportamental de pessoas que já passaram pela vara criminal, quanto na prevenção de novos delitos. 

Ainda que essa não seja uma solução efetiva, é um campo de estudo muito viável para a Psicologia, já que vem se desenvolvendo conforme os avanços das pesquisas. 

Em quais áreas o psicólogo forense pode atuar?

Apesar de a função ser muito reconhecida no âmbito criminal, também há outras possibilidades de atuação para o psicólogo que segue sua carreira na Psicologia Forense. A seguir trataremos, em tópicos, sobre algumas dessas áreas de atuação. 

Direito Penal

Em primeiro lugar, o psicólogo forense é responsável pela análise que define em quais circunstâncias o réu realizou o crime. Isto é, se a pessoa tinha ou não consciência do ato criminal.

Desta forma, a contribuição se deve à forma pela qual o cidadão deve ser julgado, assim como aos limites entre a culpa e a pena a ser cumprida pelo mesmo.

Direitos Trabalhistas

O psicólogo forense pode exercer sua função para garantir os direitos trabalhistas em processos judiciais. 

Como exemplo disso, temos os casos nos quais é preciso um laudo para definir se a pessoa possui condições psicológicas ou cognitivas de continuar exercendo sua função trabalhista. 

Outrossim, é a intervenção do psicólogo forense no julgamento de casos trabalhistas. Isto é, em casos de abuso, assédio e demais crimes no ambiente de trabalho. 

Psicologia para a polícia

A Psicologia forense também pode auxiliar na formação de equipes de elite e na identificação de problemas como estresse e ansiedade nos profissionais no âmbito policial.

Dessa forma, é possível traçar um perfil ideal para cada função na corporação, e também analisar detalhadamente a saúde mental desse grupo.

Direito da Família

A intervenção do psicólogo forense no âmbito familiar diz respeito a casos de divórcio, definição da guarda de filhos e situações em que são investigadas ações de abuso. Sendo esses físicos, psicológicos, sexuais ou todas as opções.

Assim, o profissional da psicologia forense contribui com uma análise especializada que auxilia na solução de casos relacionados ao direito da família.

Direito Civil

A contribuição do psicólogo forense para o direito civil deve-se a análise psicológica do sujeito. Dentro dessas análises, é possível definir se o indivíduo é apto ou não para obter bens patrimoniais. 

E onde o psicólogo forense pode atuar?

Primeiramente, dentre os lugares nos quais o profissional da Psicologia Forense está inserido, temos o Tribunal de Justiça. No entanto, o psicologo forense pode atuar em outros locais, como:

  • Programas e centros socioeducativos;
  • Abrigos;
  • Presídios;
  • Instituições de apoio à vítimas;
  • Unidades de pesquisa;
  • Centros de saúde psicológica prisional.

Qual a faixa salarial de um Psicólogo Forense?

O psicólogo especializado em Psicologia Forense ganha em média R$ 3.053,65, segunto o site Salario.com.br.

Ademais, o piso salarial gira em torno de R$ 2.787,04 e o teto salarial é de R$ 4.951,60. Estes valores consideram uma jornada de trabalho de 35 horas semanais.

Mas, é importante saber que essa média depende do setor que o profissional atua. Assim como, deve-se considerar os estados e bonificações que podem ser fornecidas. 

Como se especializar na área?

Há diversas universidades brasileiras que oferecem cursos de pós-graduação na área de Psicologia Forense.

Assim, vale ressaltar também que a nomenclatura e o foco de cada curso podem variar de acordo com cada instituição de ensino. Portanto, sempre pesquise mais de uma opção.

Fica claro, portanto, que para além das diversas áreas de atuação, a Psicologia Forense ocupa um espaço importante na sociedade. Por isso, continue pesquisando e lendo sobre a temática.

Gostou do conteúdo? Comente aqui!

Ah! Continue sua leitura nos links abaixo:

https://horadafacul.vestibulares.com.br/mercado-de-trabalho/quanto-ganha-um-psicologo-forense/

https://horadafacul.vestibulares.com.br/mercado-de-trabalho/quanto-um-psicologo-ganha-como-autonomo/

O quão útil foi esta matéria?

Clique na estrela para avaliar!

Avaliação média 0 / 5. Contagem: 0

Ainda sem avaliações! Seja o primeiro a avaliar.