Quanto ganha um engenheiro elétrico nas grandes cidades?

Isabella de Andrade
Colaborador do Hora Da Facul

Escolher o curso certo é o ponto de partida para dar início a uma carreira profissional e sabemos que muitas dúvidas surgem nesse período. Entre as principais questões levantadas por jovens estudantes na hora de decidir a graduação está a média salarial. Além disso, outros fatores importantes pesam na decisão, como o perfil dos profissionais, os tipos de especialidades, a rotina de trabalho e a demanda em determinados lugares. Mas, afinal, quanto ganha um engenheiro elétrico nas grandes cidades?

A engenharia elétrica, assim como outras engenharias, está entre os cursos mais concorridos do país. O mercado costuma se manter aquecido para a área e existe um amplo leque de atuações para quem decide seguir nesse ramo. Podemos dizer que o engenheiro elétrico, de maneira geral, é um profissional que se dedica a planejar, construir e fazer a manutenção de sistemas que geram, transmitem e distribuem energia elétrica.

Diferentes setores e empresas utilizam os serviços desse profissional como, por exemplo, linhas de transmissão, construtoras, telecomunicações e automação. Os setores de informática e financeiro também abrem boas possibilidades para a engenharia elétrica. Em geral, o valor médio dos salários para engenheiros elétricos está acima de R$ 4.000 para recém-formados e de R$ 9.000 para os mais experientes. Vale lembrar que a engenharia elétrica é uma das profissões mais bem pagas do país.

Em dúvida sobre escolher Engenharia Elétrica EAD ou presencial?

Preparamos um quiz especial para você

Salário do engenheiro elétrico em diferentes cidades

Os salários na Engenharia Elétrica podem variar de acordo com alguns fatores. Entre eles estão a localização, o tempo de experiência e a qualificação profissional. Por isso, é importante ficar de olho nessas três variáveis na hora de pesquisar sobre a carreira.

Em Goiânia, por exemplo, a média salarial é mais baixa e gira em torno de R$ 4.400. Já em cidades maiores, a média salarial é melhor. A mais alta está no Rio de Janeiro, onde a média é de R$ 11.194, de acordo com pesquisa do site Salário.

Em outras grandes cidades e capitais, a média pode ser similar. Como, por exemplo, em São Paulo, com média salarial de R$ 9.226, em Belo Horizonte, com R$ 9.226, em Campinas, com R$ 9.785, em Recife, com R$ 9.299. Já Macaé possui uma média mais alta, no valor de R$ 10.025, assim como Jundiaí (SP), com R$ 10.142.

Os profissionais de Engenharia Elétrica têm um vasto campo de atuação e podem escolher trabalhar em órgãos governamentais, como agências reguladoras, instituições municipais, ministérios e secretarias. A atuação se expande também para o setor privado e pode passar por empresas de telecomunicação, telefonia, construção civil, tecnologia da informação, minas e indústrias petrolíferas, por exemplo.

Salário do engenheiro elétrico por especialização

Outro fator que pode influenciar diretamente nos ganhos mensais de um engenheiro elétrico é a área de atuação. Um gerente de produção, por exemplo, pode ganhar entre R$ 9.000 a R$ 22.000, enquanto para um diretor de operação ou diretor industrial, a média fica entre R$ 25.000 e R$ 40.000. Esses valores são para profissionais com mais tempo de experiência, a partir de 6 anos, em empresas de grande porte.

Na área de óleo e gás, as médias salariais também são diversas. Para engenharia de serviços, os valores ficam entre R$ 11.000 a R$ 15.000. Enquanto isso, para gerente de operações na mesma área os salários giram entre R$ 26.000 e R$ 32.000. Para gerente de engenharia, os valores estão entre R$ 22.500 e R$ 27.000. Na área de TI, o engenheiro eletricista pode ganhar entre R$ 15.500 e R$ 23.000 para trabalhar como gerente de serviços e de R$ 26.500 a R$ 40.000 para o cargo de Diretor de TI.

Vale lembrar que, para exercer a carreira em engenharia elétrica é preciso ter curso superior de Engenharia, com duração média de cinco anos, e obter registro no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA). O mercado está constantemente aquecido para engenheiros elétricos, já que, atualmente, é difícil pensar em uma indústria que não precise de eletricidade para operar. Logo, esses profissionais encontram alta demanda, inclusive para desenvolver sistemas variados para o setor.

O que faz um engenheiro elétrico?

Um profissional de engenharia elétrica trabalha para elaborar projetos de instalações elétricas. Além disso, ele pode atuar acompanhando obras, coordenação de equipes de eletricistas e fiscalização para garantir instalações seguras e funcionais. Ele está presente tanto em escritórios de projetos, quanto em construtoras, companhias de distribuição de energia e execução de obras.

Existem diferentes áreas de atuação para um Engenheiro Elétrico. Entre elas, as principais são: geração de energia, telefonia e telecomunicações, automação. Além disso, saúde e biomedicina, eletroeletrônica, hardware e software e construção civil. Vale lembrar que a área da construção civil é uma das que mais contrata engenheiros elétricos. Nela, o engenheiro pode projetar circuitos necessários para a construção e definir materiais a serem utilizados. Ele também pode trabalhar para elaborar plantas de indústrias de geração de energia.

Outra área de destaque é a Automação, em que Engenheiros Elétricos desenvolvem sistemas robotizados e autogerenciáveis em processos industriais. Essa é uma área com grande demanda atual. E o profissional pode desenvolver por exemplo novas estruturas de automação elétrica para indústrias. As empresas de energia elétrica também representam outro ramo com grande potencial. Já que, com a população cada vez maior, as empresas que fornecem energia precisam melhorar a sua capacidade produtiva.

O que mais você pode saber sobre engenharia elétrica

Agora que você já conhece um pouco mais sobre a área de engenharia elétrica, fica mais fácil decidir se essa é a área certa para você. Na hora de fazer a pesquisa salarial, muitos fatores são levados em conta além da localização geográfica. Como tempo te experiência, cargo, tamanho da empresa e qualificação profissional.

Investir nos estudos e em cursos extracurriculares, além da graduação, pode ser um ótimo caminho para conseguir entrar no mercado e ter acesso a uma média salarial melhor. Na hora de escolher a sua especialização, além do salário, é importante levar em conta a rotina de trabalho, as possibilidades de carreira e a proximidade com o seu perfil pessoal. Assim, as chances de que você se dê bem na carreira são ainda maiores.

O quão útil foi esta matéria?

Clique na estrela para avaliar!

Avaliação média 0 / 5. Contagem: 0

Ainda sem avaliações! Seja o primeiro a avaliar.