Quanto ganha um fisioterapeuta esportivo? Veja!

Tailane Paulino
Colaborador do Hora Da Facul

Crédito: Foto: Justin Luckhardt do Pexels

Já se perguntou alguma vez quanto ganha um fisioterapeuta esportivo no Brasil? Quais são as atribuições dessa área ou ainda como é o mercado profissional? Caso a resposta seja negativa e você tenha interesse na profissão, saiba que é bom começar a fazer isso o quanto antes.

Trabalhar a área que te deixa feliz é um dos prazeres da vida. No entanto, é preciso saber algumas coisas antes de se aventurar. Uma dessas coisas que é importante saber antes de começar a cursar uma faculdade é ter conhecimento sobre quanto o futuro profissional poderá ganhar após formado. Uma vez que isso também é válido para áreas que necessitam de alguma especialização, como é o caso da fisioterapia esportiva.

Saber o piso salarial médio da área escolhida é necessário para planejamento do futuro. Afinal, você pode escolher mudar de cidade e porque não escolher um local onde o salário é maior e há uma demanda maior no mercado pela mão de obra especializada que você pode oferecer?

Deseja seguir essa carreira e quer descobrir o salário da área de atuação dos seus sonhos? Então aproveita e aprenda mais um pouco sobre o mercado de trabalho e as funções específicas dessa especialidade. Continua lendo, porque nós separamos as principais informações para você a seguir!

Quanto ganha um fisioterapeuta esportivo no Brasil?

O site salário.com.br informa que a média salarial de um fisioterapeuta esportivo no mercado de trabalho nacional é de R$2.766,27 por mês. Valor esse, que é referente a uma jornada de trabalho semanal de 37 horas. O que equivalente a cerca de R$14,80 por hora.

Já o piso salarial, valor mínimo a ser pago pelo exercício da determinada profissão, fica em torno de R$2.500 no Brasil. Enquanto que o teto salarial, ou seja, o valor máximo a ser pago, chega a R$5.774,05.

Os valores sofrem também uma variação de acordo com o grau de experiência do profissional. Especialistas de nível júnior, com até 4 anos de experiência, vão ganhar menos que um fisioterapeuta esportivo de nível sênior, mais de 6 anos de experiência, por exemplo.

O tamanho da empresa também influencia na variação. Visto que, locais que contam com um maior número de funcionários também costumam pagar maiores salários pois, geralmente, apresentam uma demanda maior de mão de obra especializada.

Os salários também mudam entre os estados porque não há uma regulamentação nacional. Logo, a definição dos valores fica a cargo dos sindicatos e organizações regionais e locais.

Quais cidades têm o melhor salário?

Como já mencionamos antes, o salário de um fisioterapeuta esportivo pode variar bastante e algumas cidades pagam mais aos profissionais, mas também podem apresentar uma pequena variação no número de horas semanais exigidas.

Cidades com uma população maior terão, consequentemente, um salário maior. Isso acontece por conta da oferta e demanda, que faz com que a mão de obra de determinadas especialidades sejam mais procuradas.

As cidades do Brasil com o melhor piso salarial para um fisioterapeuta trabalhar atualmente são:

  • Rio de Janeiro (RJ): R$6.087,15 por 40 horas semanais
  • Itu (SP): R$3.604,21 por 44 horas semanais
  • Londrina (PR): R$3.289,33 por 43 horas semanais
  • Curitiba (PR): R$3.286,05 por 38 horas semanais
  • Porto Alegre (RS): R$2.513,41 por 31 horas semanais

Quanto ganha um profissional autônomo?

Os valores já citados foram calculados levando em consideração profissionais que trabalham em empresas com carteira assinada. Porém, para os fisioterapeutas esportivos, existe também a possibilidade de prestar serviço de maneira autônoma. Como esses serviços são oferecidos de maneira direta o valor cobrado também varia bastante.

Existe, no entanto, uma tabela referencial da Federação Brasileira dos Fisioterapeutas e Terapeutas Ocupacionais (FENAFITO) que determina valores mínimos que devem ser cobrados pelos serviços no Brasil de maneira geral. Ou seja, sem divisão por especialidade, mas que serve como base para saber o quanto cobrar.

Por exemplo, para exames e testes o valor médio a ser cobrado de acordo com a tabela é R$100. Já para prestar assistência para pacientes com alguma lesão é de, no mínimo, R$34.

Como é o mercado de trabalho?

Uma pesquisa feita pelo site Salário.com.br em parceria com o Novo CAGED, eSocial e Empregador Web revelou que em um período de apenas um ano o número de fisioterapeutas esportivos contratados com carteira assinada no Brasil dobrou.

Esse dado é importante pois comprova que essa é uma carreira que está bastante em alta e, portanto, necessita de mais profissionais se especializando nela. Isso com o objetivo de atender às demandas de um mercado em constante crescimento.

“Tá, mas onde esse especialista pode trabalhar?” você pode estar se perguntando. Em vários locais, é a resposta mais curta. Um fisioterapeuta esportivo pode atuar em clubes sociais e esportivos, em hospitais, ambulatórios, na promoção de eventos esportivos e até mesmo como profissional autônomo. Esse leque é o que garante a possibilidade de escolher onde trabalhar e se realizar profissionalmente ao optar pelo local que mais se adequa ao seu estilo e gostos.

No mais, o lado financeiro é importante, mas não se deixe levar apenas por um bom pagamento. Pense bem e sempre escolha estudar o que faz você feliz.

Quais as atribuições de um fisioterapeuta esportivo?

Você viu o quanto um fisioterapeuta esportivo ganha em média no Brasil, mas e quais as funções diárias desse profissional? O especialista nesta área é habilitado para fazer muitas coisas, como definir estratégias e criar programas de atividades físicas. Avaliar o estado da saúde física dos pacientes e, se necessário, fazer intervenções e o encaminhamento para profissionais de outras especialidades médicas também estão entre as atribuições dele.

Dentro do ambiente de trabalho, o fisioterapeuta também trabalha ajudando os pacientes a recuperar as funções motoras perdidas por conta de lesões. Ele ainda testa equipamentos, define metas e supervisiona toda a equipe envolvida no projeto e muito mais.

Como dá para ver é bastante coisa, mas o trabalho é imensamente gratificante. Ainda por cima, essa é apenas uma área da fisioterapia em que é possível se especializar. Quer saber mais sobre ela ou sobre o curso? Então dá uma olhada nos nossos conteúdos sobre e se informe sobre tudo o que você precisa saber ao decidir cursar uma graduação na área!

O quão útil foi esta matéria?

Clique na estrela para avaliar!

Avaliação média 5 / 5. Contagem: 5

Ainda sem avaliações! Seja o primeiro a avaliar.