Quanto ganha um psicólogo forense?

Ana Cláudia Andrade Oliveira
Formada em Letras, Pedagogia, especialista em Neurociências e em produção de conteúdo Web.

Crédito: Foto de August de Richelieu no Pexels.

Se você admira o Direito, mas também gosta do curso de Psicologia, deveria pensar em se tornar psicólogo forense. Essa é uma profissão que une as duas áreas, atuando em fóruns, presídios e tribunais. Seu trabalho envolve o estudo comportamental a fim de garantir os direitos das pessoas através de pareceres psicológicos.

Neste post revelaremos quanto um psicólogo forense pode ganhar. Ainda daremos outras informações relevantes sobre essa profissão. Se ficou interessado ou se está em dúvida em que área quer se especializar, continue lendo.

O que faz um psicólogo forense?

Antes de mais nada, esse profissional, também conhecido como psicólogo jurídico, é especialista na avaliação do comportamento humano. Atua em ambientes controlados judicialmente, estudando o desenvolvimento de indivíduos ou de grupos sociais.

O trabalho do psicólogo forense tem grande importância, visto que é feito por demanda jurídica. Dessa forma, o psicólogo pode responder judicialmente pelo seu trabalho. Ou seja, é essencial que trabalhe com responsabilidade e seriedade, sem emitir juízo de valor.

Sua função é colaborar com processos judiciais através da avaliação psicológica ou psiquiátrica de pessoas. Após essa avaliação, o psicólogo forense emite um relatório técnico contendo o resultado de sua avaliação. Esses relatórios são normalmente usados para auxiliar na decisão de juízes, promotores, advogados e júri.

Em suma, a psicologia jurídica traz maior eficácia às investigações policiais e processos jurídicos. Dado que estuda as atividades mentais que orientam o comportamento dos indivíduos, o psicólogo forense humaniza o processo. Inclusive, colaborando para que seja mais justo.

Quanto ganha um psicólogo forense?

As informações a respeito do salário dos psicólogos forenses abaixo foram obtidas através de uma pesquisa feita entre os profissionais da cidade de São Paulo. Por ser uma função relativamente nova, regularizada em 2001, ainda há poucos no Brasil.

  • Salário Inicial – R$ 2.787,04
  • Teto salarial – R$ 4.951,60
  • Média salarial – R$ 3.008,40

Conforme a pesquisa aponta, esse salário é pago para 20 a 30 horas de trabalho semanais. As vagas de trabalho são da área da psicologia legal e exigem ensino superior em Psicologia. Porém, mais à frente falaremos sobre a formação específica para psicólogos forenses.

Enfim, o salário base da profissão no Brasil é definido através de negociação coletiva, feita pelo sindicato dos psicólogos e psiquiatras. No último dissídio, esse salário ficou em R $2.787,04, mas pode evoluir ao longo dos anos de atuação do profissional.

Quanto ganha um psicólogo forense concursado?

A princípio, sendo uma profissão que trabalha diretamente ligada ao judiciário, é comum existirem vagas em concurso público. Essas vagas existem nos âmbitos municipal, estadual e federal.

Segundo pesquisa realizada com 12 profissionais, o salário para um psicólogo forense concursado é de R$ 3.304,39, com jornada de 32 horas semanais. A exigência para o cargo é de ensino superior completo.

Concorrer a uma vaga no setor público pode ser uma ótima ideia. Comparado ao setor privado, os psicólogos forenses públicos ganham por volta de 8% a mais.

Onde o psicólogo forense pode atuar?

À primeira vista, pode-se pensar que os psicólogos forenses trabalham apenas nos tribunais e presídios. No entanto, sua atuação vai além desses dois ambientes. A lista abaixo apresenta seus principais locais de atuação:

  • Abrigos
  • Centros de apoio a vítimas
  • Centros de apoio às vítimas
  • Centros de recuperação
  • Centros de saúde mental
  • Centros de tratamento
  • Centros socioeducativos
  • Comunidades terapêuticas
  • Estabelecimentos de saúde mental e prisional
  • ONGs e outros
  • Presídios
  • Programas de liberdade assistida
  • Serviços no sistema judicial
  • Unidades de pesquisa

Ainda mais, para você poder compreender a abrangência dessa profissão, daremos alguns exemplos de atuação. Em casos de divórcio, o psicólogo forense pode avaliar os pais para decidir se estão capacitados para cuidar dos filhos, ou mesmo determinar se precisam de assistência. Também podem definir o regime de visitas e acompanhar os impactos psicológicos da separação nos filhos.

Outras áreas de atuação

Ainda na área do Direito da Família, pode avaliar e cuidar das vítimas de abuso sexual, físico ou psicológico. Além de diagnosticar as sequelas psicológicas, pode atuar também na prevenção, avaliando se estão expostas a riscos de violência.

Outra área interessante é o Direito Trabalhista. Aqui, o psicólogo forense pode ser requisitado para avaliar possíveis casos de assédio no trabalho, e os efeitos que podem ter causado no ambiente laboral. Ele também pode aplicar testes neuropsicológicos para avaliar funcionários que alegam possuir incapacidade cognitiva para a função.

Já no Direito Penal, avalia se o réu tinha consciência do que estava fazendo, ou ainda se o fez voluntariamente. Dessa forma, o psicólogo forense é o responsável por determinar os limites da culpa, e se o réu possui transtornos comportamentais. Também pode avaliar traumas nas vítimas e testemunhas de crimes.

Por fim, o psicólogo legal pode colaborar com as corporações policiais. Nesse caso, ele fará avaliações nos policiais, identificando traumas decorrentes da sua atuação. Ainda pode avaliar o perfil psicológico de policiais que estejam se candidatando para grupos de elite.

Os desafios do psicólogo forense

De acordo com a pesquisadora e professora Giovana Veloso Munhoz da Rocha em sua palestra “Um olhar da análise do comportamento sobre a Psicologia Forense”, a análise comportamental satisfaz as necessidades da profissão. No entanto, dadas as suas íntimas ligações com o sistema legal, o profissional deve ter conhecimentos de Direito. Do contrário, precisará recorrer constantemente à consultoria de advogados.

Ainda mais, outro desafio que o psicólogo forense pode encontrar está na involuntariedade dos pacientes. Diferentemente da psicologia clínica, os pacientes não estão em liberdade e quase sempre são obrigados a comparecer às sessões de terapia. Sendo assim, o profissional encontra dificuldades em estabelecer um vínculo de confiança.

Quanto a isso, a palestrante afirma ser possível vencer essa barreira, apesar de não ser fácil nem rápido. Se o profissional tiver uma especialização correta, saberá aplicar as práticas corretas e atualizadas. Assim, conseguirá promover as mudanças positivas no comportamento do paciente, possibilitando sua reintegração à sociedade.

Como ser um psicólogo forense

Se você ficou interessado nessa área, é hora de te dizer como se tornar um psicólogo forense. Antes de mais nada, é preciso se graduar em Psicologia. Com seu diploma em mãos, é hora de buscar uma especialização.

Existem três opções de pós-graduação possíveis para você escolher. São elas:

  • Investigação Criminal e Psicologia Forense;
  • Investigação Criminal e Neuropsicologia Forense;
  • Psicologia Forense e Jurídica.

Sendo uma área intimamente relacionada ao Direito, é essencial que você esteja familiarizado com algumas leis. Estudar Direito Penal certamente será necessário para o desempenho da sua função.

E se você pretende trabalhar com crianças e adolescentes, é bom estudar o ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente. Inclusive, existe a possibilidade de trabalhar com adolescentes infratores. Nesse caso, você precisará conhecer o Sinase – Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo.

De qualquer forma, para atuar nessa área fascinante você precisará estudar muito. No entanto, dedicação e disciplina não fazem apenas um bom estudante, mas constroem um excelente profissional. 

Aproveite e confira as principais áreas da Psicologia.

O quão útil foi esta matéria?

Clique na estrela para avaliar!

Avaliação média 4.5 / 5. Contagem: 40

Ainda sem avaliações! Seja o primeiro a avaliar.