Habilidade x esforço: o que realmente vale para um curso de graduação?

Roberto Dezorzi
Colaborador do Hora Da Facul
1

Crédito: Canva.

Vamos começar esse post indo direto ao ponto: o Hora da Facul pode dizer que ambos, habilidade e esforço, possuem influência direta e diária dentro do curso de graduação. Porém, cada estudante tem perfil e características próprias, e que não se repetem de um para o outro.

Antes de mais nada, não existem pessoas mais ou menos inteligentes. Logo, mais ou menos aptas para o desempenho de uma determinada faculdade e, posteriormente, uma posição no mercado de trabalho.

Tipos de inteligências

Na verdade, o que se diz é que cada indivíduo possui um tipo de inteligência. Como por exemplo: a inteligência emocional, a inteligência mecânica e prática, e até a inteligência espacial, entre uma dezenas de outras.

Mas essa é uma conversa para outro post em nosso HF.

Afinal, hoje vamos falar sobre a relação entre a habilidade e o esforço durante a formação do universitário. E o que realmente vale nesse percurso.

Habilidade x Esforço: o que realmente vale para um curso de graduação?

Primeiramente, se você se considera uma pessoa detentora de ambos, saiba que sua trajetória de sucesso será mais fácil

Sim, nós dissemos: mais fácil.

Porém, no final do curso não existe a garantia de diploma na mão e o surgimento de um gênio. Neste caso específico, você será ainda mais cobrado dentro e fora da faculdade. 

Afinal, nem tudo é uma equação matemática e quem faz a faculdade é o aluno, o estudante, o universitário. Enfim, a pessoa que existe dentro de você. Resumindo: habilidade e esforço caminham juntos e dentro de indivíduos que sabem utilizar cada um desses atributos.

Habilidades e Competências

Antes de mais nada, existem cursos que vão cobrar dos estudantes o uso de habilidades e um maior domínio sobre um ou outro conhecimento. Entre essas graduações, podemos pontuar abaixo algumas delas. Todas com aplicações constantes de ciências exatas:

Em suma, a pessoa que tem familiaridade com cálculos, lógica matemática, raciocínio lógico e um poder de análise bastante apurado, acaba por ter mais facilidade. 

Porém, se fosse sempre um requisito dominar exatas para ingressar nas graduações acima, o mundo seria mais simples. Enfim, todas pessoas não teriam problemas na hora de encontrar a sua vocação profissional.

Portanto, é nesse contexto que entra o esforço.

Esforça-te que te ajudarei

O que essa frase tão conhecida da Bíblia tem a ver com sua formação acadêmica? Em tese, não muito. O importante é saber como cada pessoa que está lendo o post interpreta tal expressão. Portanto, reflita.

Logo, a ilustração remete ao fato da pessoa se esforçar e tomar iniciativa em meio às adversidades, sejam elas quais forem. Logicamente, todo mundo que já passou por um curso superior sabe que existem obstáculos de sobra, e a primeira forma de ultrapassar um após o outro é o esforço. 

Um exemplo típico, além de muito comum de esforço, é o aluno que tem dificuldades práticas no dia a dia de cursos de inovação e tecnologia, ou das clássicas licenciaturas como matemática, física, entre outras.

Resumindo, mesmo se dando conta da necessidade de dominar cálculos, exercitar sua lógica e análise, e compreender a fundo fórmulas e conceitos, alunos determinados acabam se formando com méritos. E não somente isso: adquirem habilidades e competências que antes desacreditaram possuir.

Como o esforço pode se tornar uma habilidade?

Aliás, isso é possível? Estudar, focar e ser um estudante proativo ao ponto de dominar uma nova habilidade?

Definitivamente, sim. Mas como você pode imaginar, muito esforço, estudo e trabalho sobre suas deficiências devem ser feitas. Como em uma obra de construção civil, o conhecimento pode necessitar de alicerces teóricos assentados em uma sólida base.

Logo, vamos colocar abaixo alguns dicas de aprendizado que visam a ajudar a você nessa, digamos…capacitação:

  • Aprendizado a base de tentativas e erros

  • Estudo monitorado por professores

  • Grupos de estudo dentro da faculdade

  • Construção de um cronograma de estudos

  • Rotina de exercícios e leituras com foco no conteúdo que se deseja aprender

  • Resiliência em relação às dificuldades que podem surgir

  • Foco e concentração nos objetivos que deseja alcançar

Em certo momento, os pontos acima podem variar de pessoa para pessoa. Entretanto, muitos deles podem ser aplicados e colocados em prática. Todavia, o tamanho do seu esforço para se tornar hábil em um tipo de conhecimento é proporcional ao tamanho da sua vontade.

Uma última sugestão aos universitários

Pensando em nossos diversos tipos de leitores, deixamos a seguinte sugestão:

“Desistir não é uma opção.”

Os desafios são e serão muitos. Um semestre após o outro, dentro e fora da faculdade. Os períodos de provas, conteúdos mais complexos que outros à medida que você vai avançando, e muito mais. Jamais desista, estude, foque na próxima habilidade que deseja aprender e aperfeiçoar para aquele trabalho dos sonhos.

Lembre-se sempre uma coisa: o seu futuro é um melhor presente. Este último é responsabilidade sua. Seja por meio do uso de habilidades ou esforço. Então, continue atento e leia também 5 habilidades muito valorizadas em um estagiário.

 

O quão útil foi esta matéria?

Clique na estrela para avaliar!

Avaliação média 0 / 5. Contagem: 0

Ainda sem avaliações! Seja o primeiro a avaliar.