O que é psicologia analítica junguiana?

Renata Arruda
Comunicadora, escreveu para veículos como Canal Lifetime, Huffpost Brasil, Scream & Yell, revista O Grito!, revista Plaf, entre outros. Atua como redatora de conteúdo generalista, sendo colaboradora fixa do site Letras.mus.br e Hora da Facul.
1

Crédito: Foto de Alex Green no Pexels

Entre as várias abordagens terapêuticas existentes no campo da Psicologia, a psicologia analítica junguiana talvez seja uma das menos conhecidas. Criada pelo psiquiatra e psicoterapeuta suiço Carl Gustav Jung, o método foi assim batizado para que se diferenciasse da psicanálise de Sigmund Freud.

Segundo Jung, o diferencial da psicologia analítica está em seu foco nas experiências simbólicas da vida humana. O trabalho terapêutico é feito visando integrar os aspectos inconsciente à consciência, auxiliando o indivíduo no resgate da sua essência. 

Inicialmente batizada como psicologia profunda, os principais pilares da terapia junguiana são os arquétipos, o inconsciente coletivo e a individuação. Vem saber mais sobre o que é psicologia analítica junguiana e como atuar nessa área!

Ainda dá tempo de se organizar em 2021!

 

Preparamos um planner para você não deixar nada passar

O que é psicologia analítica junguiana?

A psicologia analítica é o campo da psicologia que se ocupa da influência das experiências simbólicas na vida dos indivíduos, adotando uma abordagem prospectiva.

Dentre as suas contribuições, estão uma noção da libido diferenciada daquela proposta por Freud. Além disso, a psicologia junguiana conceituou o inconsciente coletivo e criou a função transcendente.

Esta abordagem foi criada por Jung tendo como base a psiquiatria e a psicanálise freudiana, além de estudos da alquimia, mitologia e história das religiões. Os principais conceitos da psicologia analítica junguiana são:

Vai fazer vestibular para Psicologia?

Descubra qual área de atuação mais combina com você

 

  • Individuação;
  • Símbolos;
  • Inconsciente pessoal;
  • Inconsciente coletivo;
  • Arquétipos;
  • Sincronicidade;
  • Persona;
  • Sombra;
  • Anima e animus;
  • Self
  • Sonhos;
  • Complexos.

Os tipos psicológicos

Para Jung, nossa personalidade é formada a partir da maneira como nossas capacidades mentais são utilizadas. Assim, características como extroversão e introversão se referem ao mundo externo e interno pelos quais todos nós transitamos. Cada indivíduo escolhe a qual mundo dedicará maior tempo e energia.

Jun foi o primeiro a fazer a diferenciação entre a personalidade extrovertida e a introvertida. Enquanto o extrovertido prefere manter contato com mais pessoas e se sente à vontade com interações sociais, o introvertido gosta de passar mais tempo sozinho, refletindo sobre si mesmo e o mundo. 

O que é psicologia analítica junguiana na prática?

Na prática, a terapia analítica não é rígida, nem segue um método fechado. Isso porque a psicologia junguiana entende que cada paciente detém uma fórmula única, que deverá ser incorporada ao tratamento assim que o terapeuta identifique quais meios melhor atingirão os objetivos.

Durante as sessões, o terapeuta e o paciente irão trabalhar em conjunto para resgatar a essência do indivíduo. O profissional analisará simbolicamente o significado das queixas, buscando encontrar as emoções vinculadas a cada situação.

Por sua vez, o próprio indivíduo também irá mudar sua postura ao longo do tratamento. Assim, a terapia será sempre dinâmica, se adaptando às necessidades do paciente.

Quando a psicologia analítica junguiana é indicada?

A terapia analítica é indicada para todas as pessoas, de qualquer idade, principalmente quem sente-se prejudicado através de situações estressantes ou emoções e pensamentos negativos.

Como este método terapêutico se baseia na personalidade e seus fatores, ele é também é altamente indicado para quem busca o autoconhecimento. É uma excelente opção para eliminar falsas crenças, identificar defeitos, ilusões e possíveis bloqueios.

Dentre os transtornos que se beneficiam da terapia junguiana, podemos citar:

  • Depressão;
  • Ansiedade;
  • Medos;
  • Tristeza;
  • Bloqueios;
  • Sentimentos de culpa e vazio;
  • Traumas;
  • Dificuldades nos relacionamentos;
  • Transtornos alimentares.

Outras situações incluem:

  • Desejo de mudar a própria vida ou pontos de vista;
  • Busca pelo autoconhecimento;
  • Busca de significado para a vida;
  • Dificuldades para lidar com mudanças;
  • Sintomas irracionais que não apresentam resultados com outros métodos.

Como é o curso de psicologia analítica junguiana?

Durante a graduação em Psicologia, quase nada é ensinado a respeito da psicologia analítica junguiana. O estudo e as pesquisas na área são majoritariamente feitos em pós-graduações.

Assim, quem deseja se especializar em psicologia analítica deverá buscar por uma pós-graduação lato sensu. A duração pode variar entre 1 a 2 anos e há cursos oferecidos para dois tipos de público: graduados na área da saúde e não graduados na área da saúde.

Ao final da pós-graduação, o profissional estará habilitado a realizar atendimento clínico.

Além disso, outras especializações como arteterapia, psicopedagogia e psicomotricidade, entre outras, também se utilizam de conceitos junguianos.

Formação em psicologia analítica junguiana

Além das especializações, há ainda a possibilidade do profissional se formar em psicologia junguiana. A diferença é que a especialização confere ao profissional o título de especialista.

Já para ser considerado, de fato, um analista junguiano, é necessário passar pelo processo de formação da International Association for Analytical Psychology (IAAP), com sede na Suíça.

A formação tem duração de quatro anos e conta com análise individual e supervisão. O aluno se forma após apresentação de um estudo de caso e defesa da monografia.

Como é o mercado de trabalho para quem estuda psicologia analítica

O mercado de trabalho para o psicólogo junguiano é o mesmo para quem se forma especializa em outras áreas da psicologia. Embora a concorrência seja acirrada nesta área, o profissional especializado consegue encontrar boas oportunidades de atuação.

Dentre as principais, podemos citar a psicologia clínica, que realiza atendimentos individuais ou em grupo em consultório. Atualmente, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) autorizou que psicólogos clínicos realizassem consultas à distância, permitindo que os profissionais atendam pacientes de todo o Brasil. 

Como dito anteriormente, o psicólogo junguiano também pode atuar em áreas relacionadas como a arteterapia, a psicopedagogia e a psicomotricidade.

Quanto ganha o psicólogo junguiano?

Precisar o salário de psicólogos e terapeutas não é tarefa fácil. Como profissionais liberais, o salário pode variar de acordo com as particularidades de cada um.

No entanto, segundo dados oficiais do Novo CAGED, um terapeuta ganha, em média, R$2.785 no Brasil. Já o psicólogo clínico tem salário médio de R$2.807. Estes valores referem-se a quem trabalha em regime CLT.

Vale lembrar que o salário pode variar para mais ou para menos, dependendo da localização, experiência e local de trabalho do profissional.

Embora ainda pouco difundida no Brasil, a psicologia analítica influenciou a cultura ocidental e transformou a prática psicanalítica. Sua base teórica acabou sendo ampliada pelos chamados pós-junguianos. 

Depois de conferir o que é psicologia analítica junguiana, aproveita e vem saber mais sobre quanto ganha um psicólogo em diferentes áreas!

O quão útil foi esta matéria?

Clique na estrela para avaliar!

Avaliação média 5 / 5. Contagem: 1

Ainda sem avaliações! Seja o primeiro a avaliar.