5 áreas para trabalhar em Direito além da advocacia

Raiza Moreno
Colaboradora Raiza Moreno

Foto: Tima Miroshnichenko em Pexels

Estudar Direito te permite adentrar em um universo amplo. Diferentemente do que muitos pensam, ser bacharelado em Direito abre muitas portas não-óbvias, mas fundamentais na sociedade. Então, aqui iremos te contar as 5 áreas para trabalhar no Direito além da advocacia.

Estão prontos? Se sim, confira o nosso artigo a seguir.

A formação em Direito

A princípio, o primeiro passo para atuar em áreas jurídicas é concluir um curso bacharelado em Direito. Todavia, é importantíssimo afirmar que, diante da amplidão da área jurídica, não basta graduar-se para se tornar advogado, por exemplo.

De qualquer maneira, cada uma das áreas possíveis em Direito tem suas especificidades. Assim, conheça mais sobre o curso e, por consequência, as suas possibilidades.

Como é o curso?

O curso de Direito é um bacharelado. Este diz respeito a uma categoria de curso superior que pode iniciar a vida profissional e acadêmica de um estudante. Ainda, ao realizar um bacharelado, a titulação permite que você possa seguir em todas as áreas possíveis que contemplam o setor jurídico e, ainda, uma carreira acadêmica, se a desejar.

Neste contexto, o curso tem em média uma duração de 5 anos, ou seja, dez semestres. E, se desejar tornar-se advogado, é necessária a realização do exame da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil).

Em suma, o curso visa instruir o estudante a aprimorar e contribuir com a ordem jurídica na sociedade. Assim, beneficiar a população com instrumentos democráticos, desenvolver habilidades que incluam o conhecimento teórico e prático no âmbito legislativo, aprimoramento de técnicas que conciliação e mediação e sempre, atualizar e (re)construir o saber jurídico, diante das demandas das civilizações.

Quais disciplinas são vistas no curso de Direito?

Bem, percebeu-se no tópico anterior que as obrigatoriedades ultrapassam o âmbito da advocacia. Então, o curso de Direito possui muitas oportunidades em simultâneo com grandes responsabilidades e estudos.

Dessa maneira, para compreender as áreas para trabalhar em Direito além da advocacia, faz-se necessário conhecer a matriz curricular do curso.

  • Ciência Política e Teoria do Estado;
  • Humanidades;
  • Economia;
  • Linguagem e Argumentação Jurídica;
  • Direito Administrativo;
  • Direito Ambiental;
  • Direito Civil;
  • Direito Coletivo do Trabalho;
  • Direito Constitucional;
  • Direito da Seguridade Social;
  • Direito das Relações de Consumo;
  • Direito de Falência e Recuperação de Empresa;
  • Direito do Trabalho;
  • Direito Econômico;
  • Direito Internacional;
  • Direito Penal;
  • Direito Político e Eleitoral;
  • Direito Processual Civil;
  • Direito Processual do Trabalho;
  • Direito Processual Penal;
  • Direito Tributário;
  • Direitos Humanos;
  • Ética Profissional em Direito;
  • Ética, Política e Sociedade;
  • Filosofia do Direito;
  • Fundamentos Históricos do Direito;
  • Homem, Cultura e Sociedade;
  • Introdução ao Estudo do Direito;
  • Meios Alternativos de Solução de Conflitos;
  • Metodologia Científica;
  • Psicologia Aplicada ao Direito;
  • Responsabilidade Civil;
  • Teoria da Argumentação Jurídica;
  • Teoria Geral da Empresa;
  • Teoria Geral do Direito Constitucional;
  • Teoria Geral do Processo;
  • Teoria Geral do Processo Penal.

Áreas para trabalhar em Direito além da advocacia

Aqui, te apresentaremos 5 áreas para trabalhar em Direito além da advocacia. No entanto, é importante pontuar que existem outras tantas para além das cinco mencionadas.

Sem mais delongas, conheça-as.

Procuradoria de Justiça

Este cargo tem conexão direta com o Ministério Público Estadual, ou seja, envolve prestação de serviço público. Assim, liga-se também com o promotor de justiça, porém com um cargo hierarquicamente acima.

No mais, o exercício da profissão, na prática, é o mesmo do promotor. E envolve a defesa e a análise das demandas das sociedades diante do que se vive, sejam conflitos ou necessidades.

Por fim, o espaço de atuação inclui tribunais das Câmaras Cíveis e Criminais. E estas podem ser tanto municipais, estaduais ou federais.

Desembargador

Para tornar-se desembargador, o profissional tem de ter o título de juiz e obtém o cargo por meio de requisitos que envolvem merecimento e tempo de atuação. Ainda, um desembargador é membro do Tribunal de Justiça ou Tribunal Regional. E, além disso, julga a decisão de juízes inexperientes quando se encontra insatisfeito com algum caso sentenciado.

Todavia, além das responsabilidades expostas, um desembargador tem funções pontuais. Estas funções envolvem a apuração de algumas responsabilidades, a fiscalização do cumprimento de leis e promoções penais.

Sendo assim, para além do merecimento e o tempo de atuação, alguns requisitos são exigidos aos desembargadores. Nesta área, ao que se difere de juízes, o desembargador não necessita de concursos. Estes são comumente nomeados e/ou indicados aos seus cargos. Mas, lembrando que independentemente da área jurídica, o profissional tem obrigação de primeiro, posicionar-se de forma neutra, justa e ética.

Judicial

A área judicial diz respeito a magistratura, que é um setor bastante cobiçado. No entanto, as responsabilidades de um juiz tendem a ser complexas, pois envolvem a determinação de caminhos; seja da sociedade civil, de empresas e até do setor público.

O juiz tem como função, a partir da legislação, definir culpabilidade e inocência diante de uma série de eventos. Ainda, o juiz é o profissional que determina, por exemplo, atos de prisão, a análise dos atos que foram contrários ou não à dignidade humana, a mediação de conflitos de interesses, entre outras tantas tarefas difíceis.

No mais, para tornar-se juiz, o bacharel deve prestar concurso público. Estes, têm a participação da OAB em seus processos avaliativos e de aprovação. Ainda, um estudante recém-formado não pode prestar tais exames, pois, deve-se ter no mínimo três anos de atuação na área jurídica.

Defensoria Pública

Este profissional é responsável pela defesa jurídica de cidadãos que não podem pagar por esse serviço. Assim, o defensor público é, obrigatoriamente, um funcionário público.

Por fim, este serviço pode ser prestado de forma municipal, estadual ou federal. Desse modo, deve atender as necessidades do sujeito, independente de qualquer coisa.

Análise Judiciária

Este profissional do Direito, atua em setores administrativos. Então, o atendimento ao público, os recursos humanos e as datas de audiência são ofícios do analista judiciário.

Ainda, em determinados cenários, pode atuar de modo conjunto ao juiz, sendo responsável por receber e distribuir petições nos tribunais, sejam eles de justiça ou federais.

Aqui, encerramos o nosso artigo. E esperamos que você tenha gostado de conhecer áreas para trabalhar em Direito além da advocacia.

Por fim, para acompanhar outro artigo bacana, é só clicar aqui.

Até mais, querido leitor!

O quão útil foi esta matéria?

Clique na estrela para avaliar!

Avaliação média 0 / 5. Contagem: 0

Ainda sem avaliações! Seja o primeiro a avaliar.